segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

DESDE 1989, MÍDIA TRADICIONAL SE COLOCA CONTRA O PT


DESDE 1989, MÍDIA TRADICIONAL SE COLOCA CONTRA PT

"TODAS AS CONCESSÕES SÃO REGULADAS. SÓ RÁDIO E TELEVISÃO NÃO. O RÁDIO E A TV TÊM QUE TER MECANISMOS DE PROTEÇÃO À CRIANÇA, TEM QUE TER REGRAS QUE IMPEÇAM A DEFESA DO RACISMO" (Franklin Martins)


DESDE 1989, MÍDIA TRADICIONAL SE COLOCA CONTRA PT

"TODAS AS CONCESSÕES SÃO REGULADAS. SÓ RÁDIO E TELEVISÃO NÃO. O RÁDIO E A TV TÊM QUE TER MECANISMOS DE PROTEÇÃO À CRIANÇA, TEM QUE TER REGRAS QUE IMPEÇAM A DEFESA DO RACISMO" (Franklin Martins)
Para escrever este artigo, tenho que começar falando de Luiz Inácio Lula da Silva, que como sempre digo, acompanhando o sentimento do mundo, foi o maior Presidente que este país já teve. Quero que ele volte em 2018, apesar de toda turbulência que envolve sua vida pessoal e política.
Escrever nesta página é deixar um pedacinho da história carimbado aqui, mesmo incompleta e justamente por isso, e neste artigo, quero e vou dizer que Lula foi ingênuo, muito ingênuo ao acreditar na imprensa brasileira, defensora de uma sociedade capitalista. Imaginem vocês, que quem antecedeu o Ministro Hélio Costa, foi o hoje golpista Eunício Oliveira.
O Ministro-chefe da Secretaria de Comunicação do governo Lula, Franklin Martins disse em entrevista em 2016, “que as gestões petistas cometeram um erro grave que abriu uma janela de possibilidade para o impeachment muitos anos antes desse golpe ter sido anunciado: deixou a grande mídia, braço auxiliar de uma oposição sem projetos, adotar uma agenda pautada pelo tema corrupção, em vez de colocar o avanço social acima de tudo.”
Lula, não te perdoo!
Mas se te condenar, vou agir da mesma forma que aqueles que te acusam e te lincham hoje. Mas o cientista político Fernando Azevedo depois de analisar editoriais e manchetes dos grandes jornais que falavam do PT publicados nos jornais Folha de S. Paulo, O Globo e Estadão entre 1989 e 2014 evidenciou a parcialidade da imprensa brasileira, seu anti-petismo e os classificou de negativos. Todos negativos como ainda hoje, com um posicionamento ideológico, compartilhando “ crenças liberais e se posicionando no campo antagônico ao do PT, que é um partido de centro-esquerda e que acredita em um Estado forte”.Esse posicionamento vem desde os tempos de Getílio Vargas, portanto vem de longe.
Essa mídia quer destruir uma história construída a muito custo, corroborando que vivemos num país tomado por organizações criminosas nos últimos 15 anos, com governos incompetentes e populistas, que hoje depois de um golpe, com uma justiça impoluta e firme (kkkkk) e com um govêrno, “que mesmo não sendo perfeito” segundo a dita imprensa imperialista, tenta “modernizar” o Brasil, por meio de reformas tão inadiáveis quanto necessárias, para tirá-lo de uma terrível bancarrota em que o governo anterior o enfiou. (que horror saber escrever essa afirmativa!)
O assunto mídia brasileira é tão acintoso que o Programa The Listening Post da rede de tv Al Jazeera, abordou o monopólio da mídia brasileira e as consequências desse acumulo de poder econômico e midiático para a política e a sociedade brasileira.
O programa mostra os dois anos de uma turbulência política que revelou uma profunda corrupção no país que de forma oportunista conta com o poder da mídia brasileira.
Midia Ninja em pareceria com o Forum Nacional da Democratização da Comunicação colaborou com The Listening Post, o programa de Al Jazeera English, para criar uma versão legendada em português do seu episódio especial sobre a mídia brasileira.
Mas aprendemos e tivemos a oportunidade de participar dos fatos e, oportunamente li no blog do Santayanna, quando ele cita que “a verdadeira história deste país, falará de um Brasil no início do Século XXI, que chegou a sair da décima-quarta economia do mundo para o sexto posto nos últimos 15 anos - e que ainda ocupa o nono lugar entre as nações mais importantes do mundo.
De uma nação que mais que triplicou seu PIB de 504 bilhões em 2002, para quase 2 trilhões de dólares no ano passado - que pagou - sem aumentar a sua dívida pública com relação a 2002 - seus débitos com seus principais credores internacionais - entre eles o FMI - e quadruplicou sua renda per capita em dólares, além de economizar mais de 340 bilhões de dólares em reservas internacionais, nesse período, transformando-se no que ainda é, hoje, em 2017, o quarto maior credor individual externo dos EUA.
Um país que cortou, segundo números do IBGE, o número de pobres pela metade, duplicou o número de escolas técnicas federais, construiu quase 2 milhões de casas populares, com qualidade suficiente para atrair até mesmo o interesse de altos funcionários do Estado, como procuradores da República, até o Dallagnoll comprou uma!
Um país que tinha voltado a construir refinarias, navios, grandes usinas hidreléctricas, gigantescas plataformas de petróleo e descoberto, com tecnologia própria, abaixo do fundo do mar, a maior província petrolífera, em termos mundiais, dos últimos 50 anos."
Mas falará também que um Presidente golpista, traidor da Constituição que num brevíssimo espaço de tempo destruiu as conquistas tão esperadas e conseguidas pelo povo brasileiro.
A história real ficará registrada nos livros do futuro e o nome de Luiz Inácio Lula da Silva ali estará para consagrá-lo como o Grande Presidente do Brasil.
Maristela Farias - Jornalista DRT 1778/PE
Postar um comentário