domingo, 19 de novembro de 2017

CAMPO DE CONCENTRAÇÃO NO NORDESTE NEM NO BRASIL NUNCA MAIS




Colaboratório.org
Publicado por Maristela Farias22 h
NOTA POLÍTICA



CAMPO DE CONCENTRAÇÃO NO NORDESTE NEM NO BRASIL, NUNCA MAIS!
(Video do UOL: História: Ceará manteve "currais" para esconder flagelados da seca.)


SOMOS UM POVO DE LUTA, DE DORES E DE HISTÓRIA E NÃO ACEITAREMOS NENHUM RETORNO QUE NOS RECONDUZA A CAMPOS DE CONCENTRAÇÃO SEMELHANTES AOS NAZISTAS, COMO OS OUTRORA INSTALADOS NO CEARÁ, EM LUGAR NENHUM DESTA NAÇÃO BRASILEIRA. OS QUE AÍ ESTÃO GOVERNANDO NÃO SABEM DE NOSSA CAPACIDADE DE LUTA E NEM CONSEGUEM ADVINHAR ATÉ ONDE CHEGAREMOS EM DEFESA DE NOSSOS IRMÃOS.
E ESTE RECADO NÃO É APENAS PARA O GOVERNO GOLPISTA INSTALADO COM A ANUÊNCIA DO TRAIDOR DA CONSTITUIÇÃO MICHEL TEMER, MAS PARA TODOS AQUELES QUE BATERAM PANELAS E HOJE GRITAM PELA VOLTA DOS MILITARES, QUE TÊM MUITO O QUE FAZER DEFENDENDO NOSSA PÁTRIA PARA QUE OS COMPRADORES DE NOSSAS RIQUEZAS NÃO INVADAM NOSSO PAÍS.
Ao abrir a tela do Google, encontrei o aniversário da Rachel de Queiroz, 107 anos e imediatamente me lembrei d`O Quinze”. Claro que nesta nota política de hoje, não consegui me afastar da lembrança do livro e da da figura daquela família. Fui atrás porque faz tanto tempo que li e tinha que acender minhas lembranças e encontrar um trecho que me provocasse a “escrevinhação” de hoje.
“Lá se tinha ficado o Josias, na sua cova à beira da estrada, com uma cruz de dois paus amarrados, feita pelo pai. Ficou em paz. Não tinha mais que chorar de fome, estrada afora. Não tinha mais alguns anos de miséria à frente da vida, para cair depois no mesmo buraco, à sombra das mesma cruz."
Além disso, o filho mais velho, Pedro, acaba se juntando a outro bando de retirantes e o casal não o vê mais. Ao chegar em Fortaleza, a família de Chico Bento vai para o "Campo de Concentração", um espaço destinado aos flagelados da seca, ondeencontram Conceição, professora e voluntária que se tornamadrinha do caçula do casal, o Manuel, apelidado de Duquinha.
É Conceição quem os ajuda a comprar passagens para São Paulo e como madrinha da criança pede a eles para ficar com o menino, uma vez que o considerava um filho. Embora apresentassem resistência, Duquinha acabou ficando no Ceará com sua madrinha.
Com a chegada da chuva e consequentemente da esperança para o povo nordestino, a avó de Conceição resolve voltar a sua terra natal (O Quinze)
Numa das frases da escritora, ela disse: “Olha, o Lula é um homem extraordinariamente inteligente, culto, mas o grande defeito dele é ser atrelado ao PT...“ Referência: https://citacoes.in/autores/rachel-de-queiroz/.
Pronto: cheguei onde queria, até porque a citação do nome do Lula, pode ou não ser verdadeira, mas a história de sua ida e de sua família para “SumPaulo” foi exatamente num momento similar ao
que a escritora descreveu em seu “O Quinze”, do qual citei apenas mínimos trechos daquela seca de 1915 e tudo porque gosto de fazer lembrar que a história existe para que as lutas dos povos sejam respeitadas e vou logo aproveitar para falar Nota Política que aqui no Nordeste também houve a implantação de um Campo de Concentração.
Exatamente semelhante aos campos nazistas e que serviu de cenário para Rachel de Queiroz escrever “O Quinze”..
É companheiros…
Na seca de 1932 o nordeste brasileiro sofria com as consequências da estiagem, mas também vivia um momento histórico próprio dentro da era de Getúlio Vargas; Lampião e seu bando centralizavam as atenções dos políticos; as políticas do Nordeste mudavam de nomes: Padre Cícero ainda tinha influênciaoligarquias política e milagrosa para os sertanejos e a irmandade do Caldeirão de Santa Cruz do Deserto atraia centenas de flagelados para os arredores de Crato, no Ceará.
Com o temor de invasão de flagelados para Fortaleza — e para outras grandes cidades do Ceará — a estratégia dos CURRAIS DO GOVERNO MAIS UMA VEZ FOI IMPLANTADA, só que desta vez não somente em Fortaleza, mas também em cidades com alguma estrutura básica e com estações de trens. Além dos campos de concentração na capital da Terra da Luz, um no já conhecido Alagadiço e um outro no noroeste da capital, no Pirambu (ou Campo do Urubu como ficou conhecido), foram instalados outros em Crato, Carius, Ipu, Quixadá, Quixeramobim e Senador Pompeu
Os sertanejos ali alojados recebiam algum cuidado e comida, e podiam trabalhar nas frentes de obras, sempre sob a vigilância de soldados.
Estima-se que cerca de 73 000 flagelados foram confinados nesses campos onde as condições eram desumanas, o que resultou em inúmeras mortes. Ainda durante essa seca, flagelados cearenses foram enviados para o combate nas trincheiras da Revolução de 1932 em São Paulo e era justificado pelo temor das autoridades de invasões e saques dos flagelados da seca em Fortaleza — isso já acontecera na seca de 1877, quando sertanejos famintos invadiram a capital cearense, aterrorizando a população urbana.
Sem lamentações. O nordestino é um forte e se hoje está em São Paulo, aprendeu o caminho para trabalhar, salvar sua família e para combater nas trincheiras da Revolução de 1930 nesta cidade sulista que muito deve aos homens desta região Nordeste, inclusive o melhor Presidente que este país já teve e vai voltar em 2018.
Quero deixar registrado que dentre as fontes utilizadas,a Wikipédia também me favoreceu para poder lembrar que a história existe e jamais será apagada.
Nossa luta e a de todos os companheiros, sempre será para que Currais de Govêrno, oligarquias políticas e milagrosas como as que estão se instalando no País inteiro, se ainda não notaram, voltem a destruir as conquistas sociais que tivemos e que as bestas feras dos paneleiros foram para as ruas pedir e gritar pela volta e agora já estão indo novamente pedir sejam os militares instados a tomar o govêrno deste país.
Somos um povo de luta, de dores e de história e não mais aceitaremos nenhum retorno que nos reconduza a campos de concentração, como os outrora instalados no Ceará, em lugar nenhum desta nação brasileira.
Maristela Farias – Jornalista DRT 1778/PE
Postar um comentário